Piodermite Canina

Você sabe tudo sobre Piodermite Canina? Neste artigo explicamos para você.
Artigo Piodermite Canina Hospital Veterinário Butantã

Escrito por

Fernanda Lima Sgroi

A piodermite é umas das doenças de pele mais comuns que podem acometer os cães e gatos.

Trata-se de uma infecção bacteriana que atinge a pele do animal e é basicamente dividida em dois tipos, de acordo com a profundidade da lesão: superficial e profunda; ou ainda como primária e secundária, levando em consideração a sua origem. Essa distinção é importante porque direciona o tratamento principalmente com relação ao período de antibioticoterapia e o médico veterinário dermatólogo é o profissional mais apto para fazer essa diferenciação.

A grande maioria dos casos de piodermite são secundárias e a causa de base varia, mas cita-se: doenças alérgicas, demodicose e doenças endócrinas.

Em cães, o principal causador é uma bactéria chamada Staphylococcus pseudintermedius, que faz parte da microbiota do cão, mas em condições favoráveis (com a causa de base não tratada), o agente se multiplica e causa a infecção.

Se o seu cão se coça com frequência, esse deve ser o primeiro sinal de atenção. A coceira costuma ser o primeiro dos sinais da piodermite, e vem posteriormente acompanhado pela queda de pelos, surgimento de crostas ou feridas e bolinhas de pus.

Diante da observação de qualquer um desses sinais, é fundamental que o animal seja encaminhado a um médico veterinário dermatólogo para o diagnóstico mais aprofundado, inclusive da causa de base. Este por sua vez, é feito à partir da anamnese direcionada, exame físico específico, onde as lesões serão avaliadas, bem como a solicitação de exames que diferem caso a caso.

Tratamento

O tratamento da piodermite consiste no uso de produtos antisépticos e antibióticos. A princípio, recomenda-se o uso do shampoos terapêuticos com princípio ativos que controlam a infecção bacteriana, já que costumeiramente ele mostra-se muito eficiente como meio de remoção das crostas e escamas. Além disso, existem uma série de outros produtos de uso tópico, como sprays, géis e cremes que são eficientes e usados como adjuvantes ao tratamento. Quanto ao uso dos antibióticos sistêmicos,  é importante que ocorra somente após o diagnóstico clínico; assim é possível determinar a necessidade, duração e qual classe é mais indicada.
Como informado, é importante lembrar que na maioria dos casos, a piodermite está diretamente associada a outras doenças, por isso não adianta tratá-la isoladamente e, sem o devido tratamento, as chances de que o quadro seja reincidente são altíssimas.

A piodermite tem cura e quanto mais precoce o diagnóstico e tratamento, maiores as chances de sucesso e remissão das lesões.

compartilhe esta publicação!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email